21
mar
2012

Comércio sexual incentiva modificação corporal clandestina de meninos

O aliciamento de adolescentes pela internet estimula a transformação corporal ilegal para agradar a clientela formada por homens adultos. “Além do tráfico de pessoas, este é um problema de saúde pública, porque antes de completar o desenvolvimento físico deles, são injetados hormônios femininos ou aplicado silicone pelas chamadas bombadeiras (travestis mais velhos)”, afirma o psicólogo Marcos Nascimento, pesquisador na área de gênero e sexualidade, com doutorado em saúde pública.

Existem também os meninos que não mudam sua aparência e ficam nas ruas à espera da clientela masculina, mas tem aumentado cada vez mais a procura, nas grandes cidades, por garotos que realizam mudanças corporais. Eles começam colocando megahair e depois vão passando por outras alterações para ficar com uma aparência mais feminina. Estes adolescentes vêm de regiões muito pobres do Ceará, do Piauí e do Rio Grande do Norte, locais que não aceitam a homossexualidade e onde sofrem muita violência tanto da família quanto na escola. Esse fenômeno não é novo, a internet potencializa o aliciamento de adolescentes que já existia.

Hoje, se um menino procura os hospitais e consultórios oficiais querendo fazer transformações em seu corpo para se tornar mais feminino, os profissionais vão dizer que não podem dar nenhum tipo de orientação e o aconselharão a não fazer isso, porque faz mal para a saúde. “Eles acabam então ingerindo hormônios por conta própria ou vão em clínicas de fundo de quintal para fazer cirurgias, correndo até risco de vida”, afirma o psicólogo Ricardo Castro, coordenador executivo do Instituto Papai, de Recife, em Pernambuco. “Não há pesquisas científicas que auxiliem os profissionais de saúde neste sentido e há muito preconceito também”, frisa.

Para o especialista, é preciso debater mais o assunto e procurar ajudar estes adolescentes a serem aceitos em suas próprias comunidades, porque quando um homossexual tem vínculos com a família ou de alguma instituição ou serviço de apoio, dificilmente entrará para as redes de aliciamento.

Transexualidade permitida

A cirurgia para o transexualismo (mudança de sexo) hoje já é um procedimento legal em alguns hospitais do Brasil, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), quando o indivíduo tem uma identidade de gênero diferente da designada no seu nascimento e deseja viver e ser aceito como sendo do sexo oposto. Desde setembro de 2010, o Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou resolução sobre a assistência a transexuais no Brasil

A mudança só pode ser realizada a partir dos 21 anos e envolve antes análise criteriosa de uma equipe médica multidisciplinar, que segue uma série de protocolos, antes da cirurgia ou da ingestão de hormônios e medicamentos apropriados para cada biótipo e idade. O paciente e seus familiares passarão por atendimento psicológico antes e depois da cirurgia.

Esta entrada foi publicada em destaque e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.