6
set
2017

Childhood Brasil participa de seminário para discutir protocolo de proteção de direitos de crianças e adolescentes em áreas de grandes obras e empreendimentos

WhatsApp Image 2017-08-31 at 13.06.42

A Childhood Brasil deu mais um passo no fortalecimento da Agenda de Convergência entre organizações da sociedade civil, setor privado e poder público para o enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes em áreas de grandes obras e empreendimentos. A entidade participou do Seminário sobre o Protocolo de Ações para a Proteção dos Direitos de Crianças e Adolescentes nesse contexto, promovido pela Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA). O evento teve como objetivo apresentar os resultados da consulta pública sobre o tema, realizada no âmbito da SNDCA em maio deste ano, e discutir estratégias de implementação das ações previstas no documento.

Em 2009, a Childhood Brasil desenvolveu uma pesquisa para entender o contexto de vida e trabalho dos profissionais que atuam nas grandes obras no Brasil e também investigar possível envolvimento desse público em situações de exploração sexual de crianças e adolescentes. Entre outros dados obtidos, 97,2% dos entrevistados afirmaram que há prostituição nas obras onde atuam ou mantém algum vínculo. “Infelizmente existe um descompasso entre a execução de grandes obras no país e a implantação de ações preventivas sobre os impactos causados, apesar do avanço no comprometimento das empresas com o respeito aos diretos humanos, em especial de crianças e adolescentes”, explicou Eva Dengler, Gerente de Programas e Relações Empresariais da Childhood Brasil.

De acordo com o estudo, essa realidade faz com que as situações de risco e vulnerabilidade se intensifiquem, principalmente quando relacionadas à exploração sexual de crianças e adolescentes. “É fundamental que as ações de enfrentamento e medidas preventivas sejam prioridade em todas as fases, desde a concepção do projeto até a implantação, desmobilização da obra e operação dos empreendimentos”, defendeu Eva. Além da Childhood Brasil, participaram desse momento de diálogo e reflexão coletiva representantes de empresas privadas, instituições financeiras, sociedade civil, órgãos públicos da administração federal e organismos internacionais.

Entre as empresas parceiras da Childhood Brasil, a Fibria, empresa brasileira líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, apresentou o movimento Agente do Bem – Três Lagoas, uma iniciativa de referência na questão de proteção dos direitos de crianças e adolescentes. Com a assessoria da Childhood Brasil, por meio do Programa Grandes Empreendimentos, a empresa desenvolveu o movimento de proteger crianças e adolescentes durante a construção de sua segunda fábrica de celulose em Três Lagoas (MS), com foco na prevenção da violência sexual. A estratégia visou ações intramuros para a formação cidadã, abordando o tema de forma positiva e acolhedora, com todos os fornecedores e seus trabalhadores, e extramuros com o Sistema de Garantia de Direitos e Comunidade, por meio de diagnóstico, capacitação da rede e a construção de um plano municipal de enfrentamento, apoiado por uma campanha de comunicação em diferentes plataformas e para os diferentes públicos envolvidos. O case, apresentado pela coordenadora de Sustentabilidade da Fibria, Flávia Tayama, materializou diversos pontos indicados no protocolo debatido durante o seminário, mostrando que é possível e muito importante assegurar os direitos de crianças e adolescentes durante um grande empreendimento.

Esta entrada foi publicada em evento, Grandes eventos e infância e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.