31
dez
2012

Crianças representam 27% das vítimas de tráfico de pessoas no mundo

O relatório 2012 sobre tráfico de pessoas, lançado recentemente pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), revela que 27% das vítimas de tráfico de pessoas no mundo entre 2007 e 2010 foram crianças, o que representa um aumento de 7% em relação ao período de 2003 a 2006.

Desse número, 2/3 correspondem a meninas, que somam entre 15% a 20% do total das vítimas identificadas, incluindo os adultos. Por sua vez, os meninos correspondem a 10% do total de vítimas. O relatório foi elaborado com base em dados fornecidos por 132 países.

Uma novidade revelada pelo relatório foi a redução nos casos de exploração sexual, que caíram de 80% no relatório anterior, para 58%, mas ainda assim é a forma dominante de exploração entre os demais tipos de crimes. Por outro lado, o tráfico para a exploração por trabalho forçado dobrou de 18% para 36%.

A geografia do tráfico - A porcentagem de vítimas crianças, no entanto, varia de acordo com o continente. Enquanto na África e no Oriente Médio, 68% das vítimas de tráfico de pessoas são crianças, no Sudeste Asiático a proporção cai para 39%. No continente americano, as crianças representam 27% das vítimas e na Europa e na Ásia Central, 16%. O relatório aponta ainda que entre 55% a 60% das vítimas são mulheres, que somadas às vítimas meninas, correspondem a 75% do total.

Entre 2007 e 2010, o estudo identificou 460 diferentes rotas do tráfico de pessoas, sendo que cerca de 50% do tráfico ocorreu na mesma região, e 27% dentro do mesmo país. Uma exceção é o Oriente Médio, cuja origem da maioria das vítimas encontradas por lá é originária do Sudeste Asiático. Vítimas do Leste da Ásia foram identificadas em 60 países, constituindo-se no grupo mais disperso de vítimas pelo mundo. A Europa Ocidental e a Europa Central receberam o maior número de vítimas de diferentes nacionalidades.

O relatório está disponível para download.

Esta entrada foi publicada em destaque e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.