18
fev
2013

Comunicação estratégica: chave para mobilização social

Mobilizar empresas e cidadãos comuns em torno de uma causa tem sido um dos desafios enfrentados pelas organizações do terceiro setor. Se a causa é importante, saber como apresentá-la é essencial para quebrar barreiras e tabus. Por isso, mais do que nunca, a comunicação tem sido vista como uma aliada na hora de abrir novos canais de articulação com a sociedade.

Rodrigo Alvarez, diretor do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), é direto ao afirmar: “se você não sabe com quem falar, nem o que quer falar, vai acabar falando sozinho. Por isso, cada organização, a depender do público com quem quer falar, deve desenvolver uma estratégia de comunicação adequada a esse público”.

Além de articular a comunicação de sua causa com a compreensão daquilo que as pessoas e as empresas pensam e se identificam, Alvarez ressalta que a comunicação do terceiro setor precisa reconquistar a confiança das pessoas com relação ao papel de uma ONG e romper com o conceito estereotipado diretamente relacionado a um “setor de caridade, de ajuda aos pobres e de assistência emergencial aos famintos”.

“É preciso construir um novo conceito, de que estamos falando do setor da sociedade civil organizada, que se mobiliza para construir, ao lado do estado e das empresas, uma sociedade melhor para todos”, diz.

Para isso, estabelecer canais de comunicação com empresas e cidadãos comuns pode não ser fácil, mas é essencial para dar visibilidade, inspirar credibilidade e conscientizar as pessoas de que elas podem exercer seu papel como cidadãos.

Nesse sentido, a Childhood Brasil tem buscado novas maneiras de falar sobre a violência sexual, um assunto complexo e rodeado de tabus, mas que, se abordado com informações simples, claras e objetivas, podem chegar ao cidadão que não lida no dia-a-dia com esses conceitos. “Em 2013, vamos olhar com mais atenção para as redes sociais e buscar fazer relações entre a nossa causa, o impacto da violência sexual na sociedade e na vida das pessoas”, diz Erika Kobayashi, coordenadora de Programas da Childhood Brasil.

Se não é mais possível olhar para comunicação sem associá-la ao estratégico, o investimento em recursos humanos e financeiros para o desenvolvimento de uma estratégia de comunicação é oportuno, principalmente diante de um cenário no qual as pessoas têm por hábito confiar em organizações mais consagradas e reconhecidas.

A Childhood Brasil realizou recentemente um trabalho de definição de linguagem que tem impacto direto no fortalecimento da marca e que, consequentemente, visa à mobilização de mais pessoas em torno da causa. “Acreditamos que promover o nosso trabalho e a discussão da violência sexual no país são processos que devem correr em paralelo. Para isso, torna-se essencial ter uma marca fácil de ser absorvida e reconhecida”, diz Erika.

João Paulo Vergueiro, presidente da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), afirma que existem organizações cada vez mais preparadas para mobilizar o cidadão comum em torno de sua causa e como doador da mesma. Ele ressalta, entretanto, que é essencial que as organizações deem retorno para aqueles que aderem à causa e passam a doar para ela. “Os doadores estão cada vez mais atentos aos resultados de suas contribuições. Eles querem saber como elas foram usadas e o impacto social que causaram, se houve realmente alguma transformação social”, diz.

A comunicação deixa de ser apenas um “balcão de serviços”, que apenas produz informações e materiais, para dar um passo adiante, conclui Erika.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.