21
dez
2012

Pedro Trucão, radialista das estradas, apoia Programa Na Mão Certa. Leia entrevista

Pedro Trucão é conhecido como o radialista das estradas. Aos 58 anos, 31 deles dedicados ao jornalismo, Trucão apresenta semanalmente o quadro Globo Estrada Na Mão Certa, dentro de seu programa Globo Estrada, que vai ao ar diariamente pela Rádio Globo AM, das 5h às 6h e das 15h às 17h. Ele também produz o programa Pé na Estrada, exibido aos domingos pela Rede TV, e aos sábados pela TV Aparecida.

Há mais de três décadas Trucão viaja pelas estradas brasileiras. Foi assim que conheceu a realidade de quem tem nelas seu campo de trabalho. Em entrevista à Childhood Brasil, ele diz acreditar no papel fundamental dos motoristas como agentes de proteção da infância nas estradas. Trucão também é otimista em relação à atuação das empresas para a causa do Programa Na Mão Certa.

Childhood Brasil – Como surgiu a ideia de produzir o quadro Na Mão Certa dentro de seu programa na Rádio Globo?

Pedro Trucão – Eu conheci o trabalho da Childhood Brasil em um evento em Maringá há alguns anos. Percebi que a Childhood Brasil via o motorista como agente de proteção da infância, que é como eu também o vejo. A partir de então comecei a fazer alguns trabalhos e a abordar com mais frequência o tema em meus programas. Depois, em 2011, criamos o quadro.

CB – Seu público é formado não apenas por motoristas e pessoas ligadas diretamente ao setor do transporte. Quão importante é a abordagem do tema com a sociedade de modo geral?

Trucão – Além de pessoas ligadas ao setor de transporte, muitos dos meus ouvintes são donas de casa ou profissionais liberais. É muito importante abordar o tema com esse público, pois a família do caminhoneiro deve estar engajada nesse tipo de assunto. O caminhoneiro é pai, marido, filho. A mãe, a esposa, as filhas também não querem que ninguém de seu círculo se envolva com a exploração sexual. A família tem papel fundamental. Muitas mulheres pedem para que seus maridos denunciem casos de exploração sexual. O caminhoneiro na estrada é um verdadeiro agente de proteção.

CB – Seu trabalho é veiculado tanto no rádio como na televisão. Qual é a diferença principal de seus programas nesses dois meios de comunicação?

Trucão – Meu público na TV é mais segmentado e é formado por motoristas autônomos, empresários do setor e empregados de transportadoras. No rádio o público é mais amplo e, como já disse, é formado também por donas de casa e por profissionais liberais. No rádio consigo abordar o enfrentamento da exploração sexual de maneira mais aprofundada, devido ao público e também ao tempo de programa, que é maior do que na TV.

CB – Qual é sua avaliação sobre o desempenho do setor de transporte no enfrentamento da exploração sexual infantojuvenil nas estradas brasileiras este ano?

Trucão – Quem acompanha o setor sabe que este ano foi muito corrido, devido ao aquecimento da economia. Dessa maneira, acredito que os motoristas tiveram pouco tempo para acompanhar as ações relacionadas à causa do Programa Na Mão Certa. Mas por outro lado tenho notado que os empresários do setor, os transportadores e os microtransportadores estão interessados na causa. Nos eventos que participei este ano muitos deles procuraram se informar sobre a causa e levar a informação para dentro das empresas. Há um interesse muito grande das empresas para que os motoristas sejam multiplicadores da causa.

CB – As empresas estão mais engajadas ou não?

Trucão – É muito difícil uma empresa não se engajar na causa quando tocamos no assunto. As empresas querem fazer parte do enfrentamento da exploração sexual, pois todas têm um interesse social. É claro que há um custo para isso, para aderir ao Pacto Empresarial, o que às vezes dificulta a adesão de algumas empresas. Mas eu sinto que há uma tendência de aumento da participação das empresas. Elas querem e sabem que é importante participar.

Esta entrada foi publicada em destaque e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.