15
fev
2017

Dia da Internet Segura tem palestra especial, guias educativos e dicas para se proteger na rede

Aconteceu na terça-feira (07/02) a 9ª Edição do Dia Mundial da Internet Segura no Brasil, um evento para mobilizar as escolas, ONGs, empresas e imprensa e disseminar ações nacionais em prol de uma Internet mais positiva. Com o tema “Seja a mudança: unidos para uma internet mais positiva”, o evento contou com o lançamento de guias educativos, vídeos sobre segurança online produzidos por youtubers e divulgação de estatísticas.

Realizado simultaneamente em mais de 100 países, o evento global reuniu diferentes atores, públicos e privados, na promoção de atividades de conscientização em torno do uso seguro, ético e responsável da Internet. No Brasil, a iniciativa é uma realização da SaferNet Brasil em parceria com o Google Brasil, com apoio institucional do Ministério Público Federal (MPF – PFDC), Unicef Brasil, ABRANET e a Childhood Brasil.

Os temas abordados nas palestras trataram diversos setores, sendo diálogos sobre os desafios à privacidade e à segurança, cyberbullying, educação de usuários, ameaças contra crianças no mundo online e o papel das empresas, governos e organizações para a proteção na rede. Além disso, foram apresentados números de denúncia e mais informações para ajudar as vítimas de violações contra os Direitos Humanos.

A Childhood Brasil participou do evento e trouxe para o debate pontos sobre como construir uma agenda positiva na proteção à infância online. Com a participação de Itamar Gonçalves, gerente de advocacy da organização, o abuso sexual online de crianças e adolescentes foi pauta. “Quando a violência sexual não envolve o toque, como acontece online, os jovens muitas vezes não enxergam a realidade do que passam e acabam não denunciando. Temos de trabalhar na abordagem e encorajá-los a passarem adiante o que viveram”, explicou.

O gerente provocou em sua fala a questão da escuta de crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de abuso online e salientou que deve ser um tipo de escuta diferenciada de violações que acontecem offline. Aproveitou para falar um pouco sobre a metodologia do Depoimento Especial, que propõe a não revitimização durante a escuta nos sistemas de segurança e justiça, a redução da quantidade de vezes que a vítima deve testemunhar e recomenda um espaço acolhedor e amigável para crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, seja num espaço virtual ou não.

Itamar também destacou o desafio e a dificuldade de proteger a infância ao máximo em nosso país, seja online e off-line. Porém, com parcerias fortes, realiza um trabalho de prevenção e o enfrentamento se torna mais objetivo. “A cooperação entre agentes da sociedade e governo contra o problema surgiu de fato com empatia, como um ato de solidariedade com nossas crianças e adolescentes. O projeto da internet segura é fruto de um grupo de militantes que pensam com amor”, finalizou.

Sobre o Dia da Internet Segura

O Dia da Internet Segura é uma iniciativa anual, global, com a missão de envolver e unir os diferentes atores, públicos e privados, na promoção do uso consciente e seguro das TICs (tecnologias de informação e comunicação). No Brasil, a SaferNet é a instituição que organiza este dia com o objetivo de celebrar um trabalho de conscientização que nunca para. Como parceira deles desde 2007, a Childhood Brasil enxerga que que cada nova pessoa impactada e envolvida é um potencial multiplicador de uma internet mais positiva. Saiba mais aqui: www.diadainternetsegura.org.br.

 

Esta entrada foi publicada em capacitação profissional, crianças, crianças e adolescentes, Denúncia, depoimento especial, desenvolvimento infantil, direitos humanos, empresários, evento, exploração sexual, internet, Prevenção, Sem categoria. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.