5
jul
2017

Childhood Brasil discute o papel dos institutos e fundações no respeito aos direitos de crianças e adolescentes em evento do GIFE

post_gife

A Rede Temática de Garantia de Direitos promoveu o segundo encontro do ano para debater o tema: “Que papel pode ser desempenhado pelas fundações e institutos no respeito aos direitos de crianças e adolescentes?”, em São Paulo, no dia 20 de junho. O evento contou com a participação de instituições como a Childhood Brasil e o Grupo de Pesquisa Aplicada em Direitos Humanos e Empresa (GDHeE), da FGV, que apresentaram o “Guia de avaliação de impacto em direitos humanos”, estudo realizado com o objetivo de apoiar o setor privado tanto na avaliação de risco quanto nos planos de ação para respeitar os direitos humanos. Para saber mais sobre o guia, clique aqui.

A professora Flavia Scabin, coordenadora do GDHeE, que explicou que a discussão da relação e da responsabilidade dos negócios com direitos humanos é um assunto recente do ponto de vista das normativas internacionais.

Para as organizações que atuam com direitos humanos, como a Childhood Brasil, trazer o tema para as empresas por meio dos institutos e fundações permite um diálogo mais convergente e conectado com a realidade e as causas atuais. “O nosso grande desafio é como trazer a discussão para a alta gestão das empresas. Em muitos negócios, direitos humanos fica muito focado na questão trabalhista e o investimento social privado, em projetos em comunidades. O movimento de mudança é longo”, explica Eva Cristina Dengler, gerente de Programas e Relações Empresariais da Childhood Brasil.

Confira como foi o encontro clicando aqui.

Esta entrada foi publicada em Advocacy, crianças, crianças e adolescentes, direitos humanos, evento, exploração sexual e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.