19
mar
2018

Boas práticas: conheça o Centro de Atendimento Integrado 18 de Maio de Brasília

Buscando disseminar iniciativas que reforcem a proteção de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violências, inclusive a sexual, a Childhood Brasil lançou a publicação Centros de Atendimento Integrado a Crianças e Adolescentes Vítimas de Violências: Boas Práticas e Recomendações para uma Política Pública de Estado. O livro apresenta seis exemplos bem-sucedidos de Centros de Atendimento Integrado no Brasil e dois fora dele, subsidiando municípios para que eles possam repensar seus sistemas de atendimento de acordo com a Lei 13.431/2017, que entra em vigor no país em abril de 2018.

O Centro de Atendimento Integrado 18 de Maio, localizado em Brasília, é uma das experiências apresentadas no livro e teve sua criação debatida a partir de 2011, época em que o Disque 100, canal do governo federal para denúncias de casos de violência, apontava o Estado em primeiro lugar no ranking de denúncias de violência contra crianças e adolescentes. Tendo isso em mente, a Childhood Brasil mediou o contato entre o representante do National Children’s Advocacy Center (NCAC), do Alabama, Estados Unidos, e o então secretário da Secretaria de Estado de Políticas para Crianças e Adolescente durante a realização do I Encontro Nacional de Experiências de Tomada de Depoimento Especial no Judiciário Brasileiro. O resultado dessa experiência foi a constituição de um Grupo de Trabalho (GT) informal que iniciou a discussão, ainda em 2011, sobre a criação de um centro de atendimento integrado no DF.

Durante meses, o GT se debruçou na montagem do projeto, incluindo o formato do Centro, a construção de fluxo de atendimento, as competências dos órgãos parceiros, o perfil da equipe e a estrutura necessária para a concretização da proposta. Após reformas prediais e parcerias para a montagem da estrutura (mobiliário e equipamentos), o projeto, denominado Centro de Atendimento Integrado 18 de Maio, foi finalmente inaugurado em outubro de 2016 e começou a funcionar efetivamente em dezembro do mesmo ano, após os profissionais passarem por um processo de capacitação.

1

Desde sua inauguração, o Centro funciona como um equipamento público de atendimento conjunto e humanizado, que tem como objetivo aproximar os processos de proteção e responsabilização de forma a evitar a revitimização de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência sexual.

A montagem do Centro foi garantida por meio de captação de recursos e parcerias. O Instituto Sabin financiou a instalação da brinquedoteca e o Conselho Distrital dos Direitos da Criança e do Adolescente a aquisição de mobiliário e de equipamentos. Além disso, o Centro 18 de Maio é o único desta publicação que conta com espaço específico para adolescentes – que é denominado ateliê e contém jogos, livros e um computador para games.

2

Ao todo, a iniciativa conta com 17 profissionais, sendo uma coordenadora, quatro psicólogas, dois assistentes sociais, dois assistentes administrativos, dois agentes de polícia, um educador, um funcionário de limpeza e quatro vigilantes. A equipe se divide para atendimentos no período da manhã e da tarde, que duram cerca de 3 horas e 30 minutos, incluindo deslocamentos para o IML e hospital. Com isso, a capacidade diária de atendimento é de seis casos por dia.

Durante esse processo, uma das principais preocupações é a fala das vítimas. Ao acompanhá-las ao hospital ou IML, é um membro da equipe que costuma conversar com outros profissionais, evitando-se que meninas e meninos tenham que repetir a narrativa. De acordo com a psicóloga Renata Tavares, os órgãos não ouvem por curiosidade, mas porque ainda estão em processo de incorporação de uma política que propõe outra abordagem à escuta: “Os órgãos possuem suas próprias políticas e protocolos. A não revitimização passa pela interlocução e o estreitamento de laços entre essas políticas.”

Quer conhecer melhor essa e outras iniciativas? Acesse.

Esta entrada foi publicada em Advocacy, conselho tutelar, crianças, crianças e adolescentes, Denúncia, depoimento especial, infância, jovens e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.