5
mar
2018

Boas práticas: conheça o Centro de Atendimento ao Adolescente e à Criança (CAAC) do Rio de Janeiro

Lançado recentemente pela Childhood Brasil, a publicação Centros de Atendimento Integrado a Crianças e Adolescentes Vítimas de Violências: Boas Práticas e Recomendações para uma Política Pública de Estado tem o objetivo de incentivar municípios a adequarem seus sistemas de atendimento de acordo com a Lei 13.431/2017, que entra em vigor no país em abril de 2018. O material apresenta oito exemplos bem-sucedidos, dentre eles, o Centro de Atendimento ao Adolescente e à Criança (CAAC), localizado no Rio de Janeiro, que se tornou referência no atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violências, incluindo a sexual. Saiba mais sobre sua criação.

Conhecido como CAAC, o centro é uma projeção da Delegacia de Atendimento à Criança e ao Adolescente Vítima (DCAV) e trata-se de um serviço para recebimento de denúncias sobre crimes de violência sexual contra meninas e meninos. Ele foi implementado em 2015 após a então promotora pública da Vara da Infância, Patrícia Chambers, participar de um Ciclo de Capacitação da Childhood Brasil e conhecer a experiência vivenciada no NCAC, dos Estados Unidos.

 

1

Ativo no Hospital Municipal Souza Aguiar (HMSA) há três anos, o CAAC recebe denúncias e realiza depoimento especial da fase investigativa com crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, enquanto o HMSA faz o atendimento em saúde, incluindo profilaxia contra doenças sexualmente transmissíveis, contracepção de emergência e outros procedimentos clínicos.

Seu ambiente foi especialmente pensado para acolher as vítimas e suas famílias. A recepção conta com um sofá, almofadas, cadeiras coloridas, quadros nas paredes, alguns brinquedos e uma TV, que veicula programas infantis. As crianças são livres para circular pelo espaço e utilizar todos os materiais disponíveis, como livros, lápis de cor e papéis para escrever e desenhar. Além disso, no local também há salas para atendimento das famílias e realização do Registro de Ocorrência, do depoimento especial e do exame pericial.

2

Desde sua implementação, o modelo já trouxe bons resultados. De acordo com Carlos Olyntho, responsável pela coordenação do centro, “não há forma melhor de tratar desse tema que o depoimento especial, pois do ponto de vista da acusação fica mais fácil identificar o agressor”.

Quer conhecer mais sobre essa e outras iniciativas? Confira a publicação na íntegra.

Esta entrada foi publicada em Advocacy, capacitação profissional, conselho tutelar, crianças, crianças e adolescentes, depoimento especial e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.

As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Nos reservamos o direito de aprovar os comentários submetidos pelos visitantes do sitepara publicação. Não serão publicados comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso, não comprovado.